terça-feira, 7 de abril de 2009

Uma história comovente do Padre Fábio de Melo.


Vi certa vez uma história de vida do Padre Fábio de Melo contada por ele próprio no programa do Raul Gil, no quadro em que são homegeados personagens. Esse relato me comeveu e me ensinou muito, e veio a mim em um momento importante da minha vida, a qual eu estava precisando exatamente dessas palavras. Sei pouco sobre esse Padre, só sei que é cantor, faz o estilo dos padres carismáticos, mas sua história é realmente linda, e tem muito a nos ensinar. Vou relatar a história com minhas palavras, pois não encontrei nada na internet com relato próprio.

O Padre Fábio de Melo relatou mais ou menos ou seguinte:

O padre relata que tinha um amigo que estava com câncer em fase terminal, e ele (Padre) se prontificou a ficar no hospital e passar uma noite cuidando do amigo. Durante à noite, no quarto escuro, o padre dormia enquanto o amigo acordou devido às dores. Sem acordar o padre, o amigo pegou o seu remédio para dores e tomou, mas continuou gemendo de dor, pois a mesma não passava.

Com os gemidos, o padre acordou e no escuro ouviu o amigo gemendo de dor, e perguntou:

- Você está com dor?

E o amigo respondeu:

- Meu amigo, estou com muita dor, e tomei meu remédio sozinho e a dor já vai passar.

E o padre respondeu:

- Mas eu estou aqui para ajudá-lo, meu amigo, e uma das minhas funções era alcançar-lhe o remédio quando você tivesse dores.

O amigo, na sua doença, ensinou-lhe uma grande lição.

- Você está enganado, meu amigo, disse o doente. Seu maior conforto não é me alcançar o remédio, mas a sua presença ao meu lado, fazendo-me companhia. A dor já vai passar, graças ao remédio, e a sua presença mesmo em silêncio me conforta.

O padre realmente se deu conta que o que temos para dar do nosso interior e do nosso ser, a nossa simples presença, um abraço sem palavras, o conforto de um amigo, um apoio, e palavras de carinho são mais grandiosos do que dinheiro e coisas materiais.

Por isso, o importante é ser e não ter, para poder ter o que dar as pessoas, que realmente valha a pena e faça a diferença na vida.


10 comentários:

  1. Jenny Ibrahim Karam25 de abril de 2009 01:23

    Caro Paulo
    Por acaso vi o seu comentário sobre a entrevista do Padre Fábio de Melo e me tocou profundamente pois como você eu estava precisando muito ouvir esta história. Não percebemos que uma pessoa muito doente não precisa só de remédios, mas sim de nossa preciosa presença. Mas como Deus é misericordioso Ele sempre nos dá a oportunidade de um novo recomeço. E mais uma vez obrigada por me dar a oportunidade de poder reparar um grande erro que estava comtendo. A Paz de Jesus e o Amor de Maria

    ResponderExcluir
  2. CARO PAULO,COMO VC EU TAMBÉM ADMIRO MUITO O JEITO SIMPLES PORÉM TOCANTE DO Pe FÁBIO DE MELO FALAR,E COM ESSAS FRASES E QUE NÓS FAZ REFLETIR QUE COMO SER HUMANO NÓS ESTAMOS CADA VEZ MAIS ´RÁTICO E NOS ESQUECENDO DO QUANTO FAZ BEM UM ABRAÇO DE UM VERDADEIRO AMIGO.PARABÉNS POR TER DEIXADO ESSES PALAVRAS PASSAR EM BRANCO.VITORIA SILVA -MONTE SANTO -BAHIA

    ResponderExcluir
  3. e lindo mesmo. o mundo seria menos violento e melhor se tivessemos mais pessoas comoo padre fabio, acredito em deus através das musicas dele e das suas palavras.amo o padre fabio pelo seu desapego pelas coisas materiais , por isso acho que ele nos traz tao perto de deus quando fala . eliana

    ResponderExcluir
  4. Paulo li seu comentário sobre padre Fábio e essa história linda me fez refletir e na mesma hora vi o quanto tava errando em não dar atenção a quem tava precisando na mesma hora liguei pra pessoa e percebi o quanto ela ficou feliz só por eu ter ligado,me ajudou demais obrigado Deus te abençõe sempre.

    ResponderExcluir
  5. Acabei de receber a notícia que um amigo muito querido está com cancer em fase terminal. Fiquei desnorteada e sem saber o que fazer. Eu não queria passar para ele a minha tristeza, nem que ele visse minhas lágrimas, mas tbm não sabia o que dizer.
    Resolvi pesquisar relatos e testemunhos na internet para que eu tivesse uma luz. E encontrei essa página, o testemunho do pe. Fábio. Chorei muito. Mas agora sei o que fazer. Ao invés de ficar chorando, vou abraçar meu amigo, demonstrar o quanto o amo e o quero bem, e que ele pode contar comigo. Obrigada, Paulo, por compartilhar sua experiência. Foi muito preciosa para mim. Foi a luz no fim do túnel. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. graça do rio de janeiro ouvi a historia do padre fabio melo mi emocionei muito pela sua simplicidade e pelo o amor que ele tem pela umanidade fiquei feliz por saber que ainda neste mundo existe pesoas como ele

    ResponderExcluir
  7. http://www.youtube.com/watch?v=SBjwhDd8450

    Ai esta a música amiga!

    ResponderExcluir
  8. Ouvi uma historia do padre em um haleu em brasilia falando da perturbação que ele e sua mãe passou por um de seus irmão que foi preso não me lembro bem porque, mais foi uma historia muito comovente e o porque da vida tem que ter valor independente da sua situação social.
    Isso me chamou muito a atenção pois eu passava por pequenos problema que comparado ao que ele estava passando não tinha nem sentido.

    ResponderExcluir
  9. Arcoverde 28 de mai de 2013... caro padre fabio precizo dizer que mem emocionei muito quando o senhor contou sua historia de vida de quando o senhor perdeu a sua irman de como o triste fato aconteceu, da ligacao que ela lhe fez antes e que o senhor estava apressado e atendeu o telefone rapidamente e logo desligol en seguida sem saber que aquela seria a ultima vez que falara com sua irman. comigo acomteceu augo parecido e ate hoje mem arrependo por nao ter estado presente quando eesa pessoa que foi muito enportante na minha vida adoeceu. e eu nao tive tempo de ir vela ou nao mem esforcei para ir. quando mortreu foi um choque grande para mim e a ficha demorou para cair que eu tinha a pertido para sempre. mas enfelizmente a vida e assim... mem emocionei muito com o seutestemunho e do perfume da sua irman que o senhor tanbem falou. que deus o ilumine sempre cada dia mas... anne macena

    ResponderExcluir
  10. Entrei e gostei, acho que partilha da mesma sensibilidade que eu.

    ResponderExcluir